Infoecosys

Jornal Info no. 15: O significado da volta da Frente Sandinista ao Poder e a trajetória dos oposicionistas “de esquerda”

Jornal Info no. 14

O imperialismo estadunidense  na Nicarágua: Guerra e destruição neoliberal

                                                                                                               Prof. Dr. Ricardo Rabelo

Como vimos, a Nicarágua é um país da América Central que mesmo após a declaração da Independência em relação à coroa espanhola, permaneceu com sua autonomia cerceada,  tornando-se um protetorado britânico, situação que foi resolvida por um acordo entre a Inglaterra e os Estados Unidos. A partir da sua Independência em relação à Inglaterra passou à situação de  aliada forçada dos EUA, que invadiram o país várias vezes quando o  controle americano tivesse algum questionamento interno, pela chamada burguesia patriótica. No final da década de 30, essa burguesia ensaiou uma guerra de Independência, foi derrotada e fez um acordo com os EUA. Uma parte da forças armadas que enfrentaram os EUA se rebelou e criou o Exército de Libertação Nacional, liderado pelo líder camponês  Sandino. Após a celebração de um acordo com o Governo, Sandino foi assassinado por ordem de Somoza, chefe da Guarda Nacional patrocinada pelo Governo americano e que seria ditador por muito tempo, seguido por membros da sua família até julho de 1979  quando a ditadura foi derrubada pela vitoriosa Frente de libertação Sandinista. O governo Sandinista tentou uma aliança com a burguesia patriótica, que havia participado da luta contra a ditadura, mas logo se deu conta da inviabilidade dessa aliança. A convivência com os Estados Unidos, no entanto , exigia essa aliança, que tornou-se cada vez mais tênue.

A partir de 1981, com a ascensão se Reagan ao poder nos EUA, muda radicalmente a política dos EUA em relação à Nicarágua, para uma estratégia de contenção passiva, com o financiamento da contra revolução armada contra o  Governo Sandinista. A burguesia dita patriótica rompe com os sandinistas e passa a  apoiar abertamente a contra revolução. Em maio de 1985, os Estados Unidos implementam um embargo econômico à Nicarágua, o que significa nova  mudança, com aprofundamento e radicalização da intervenção estadunidense. Além do financiamento da Contrarrevolução e dos obstáculos estabelecidos aos financiamentos de organismos estrangeiros à Nicarágua, o governo norte-americano, a partir do embargo, tenta sabotar a Revolução. Em função dessas ações dos EUA o Governo Sandinista teria que tomar  medidas drásticas e antipopulares que não favoreciam as massas, as grandes forças  da Revolução, resultando numa perda de base política e social pelas FSLN.

O informativo da Comissão Bipartidária Nacional sobre a América Central, chamado de informe Kissinger, publicado em janeiro de 1984,  mostrou que se tentava ter uma visão  integral da crise na América Central. Em síntese, tratava-se de mudar a estratégia de contenção passiva para contenção ativa, fundamentada numa  política nacional unificada e de grande  coerência ideológica e militar. Seu núcleo básico ficou conhecida como a “Doutrina Reagan”, cujas características centrais eram: 1)o permanente cerco e bloqueio econômico; 2)crescente agressão militar contrarrevolucionária 3)  Definição do objetivo central em reverter totalmente aquele setores onde os processos revolucionários eram considerados não consolidados.

Foi desencadeada , a partir daí, uma “guerra prolongada” envolvendo principalmente operações de dissuasão através de discursos políticos ideológicos sob a permanente ameaça de invasão. O quadro de guerra de baixa intensidade dos Estados Unidos contra a Nicarágua foi  colocado em prática A ajuda oriunda dos Estados Unidos para a Contrarrevolução de 1981 até 1987 foi expressiva ficando em cerca de  1 bilhão de dólares incluindo no pacote as contribuições privadas.

O auxílio financeiro militar direto aos Contras, segundo dados  do Governo Sandinista, ficou no valor de US$ 307 milhões que, somados aos  gastos com a CIA,  chegou ao total de US$ 400 milhões. A infraestrutura militar estabelecida em Honduras totalizou  US$ 220 milhões. Calcula-se que houve, além dos recursos fornecidos pelo governo estadunidense, cerca de US$600 milhões de doações de origem privada para a Contrarrevolução

No final de 1986 veio a público o escândalo que foi chamado de Irã-Contras. O coronel Oliver North, membro do Conselho de Segurança Nacional dos os Estados Unidos criou uma organização  criminosa pela qual o Governo dos Estados Unidos  vendeu , através de Israel,  armas ao Irã, país que sofria um embargo norte-americano devido à Guerra Irã-Iraque (1980-1988). Grande parte dos lucros da venda dessas armas foi direcionado para financiar os Contrarrevolucionários nicaraguenses.

A alta hierarquia da Igreja Católica desencadeou uma verdadeira guerra contra a Revolução Sandinista. Através de um discurso ideológico buscou justificar  a agressão norte-americana,  revelando claramente sua posição reacionária e antirrevolucionária. Solicitado a opinar sobre  a agressão norte-americana à Nicarágua revolucionária o Bispo Miguel Obando y Bravo fez um comentário em que equipara o imperialismo  estadunidense  ao um chamado imperialismo soviético e cubano: “Yo creo que Nicaragua sufre una agresión ideológica del imperialismo ruso y cubano, y también de otros imperialismos. Yo creo que Nicaragua debe ser sujeto de su propio destino (…) Hay ideologías exóticas y hay otra gente aquí, pues, los dos imperialismos están haciendo algo aquí, tanto el ruso como el norteamericano”

Reação dos Sandinistas

Neste sentido, a reação sandinista ocorreu em duas frentes: na frente militar e política.  Na frente militar , foram criadas as forças armadas: a Força Antiaérea Sandinista, a Força Aérea e a Força Naval. Foram implantadas subdivisões nos grupos de defesa e uma nova estrutura militar:

1) as unidades permanentes,

2) as tropas da SMP (Serviço Militar Patriótico)

3) tropas do Serviço Militar de Reserva (SMR)  

Na frente política foi estabelecida uma nova estratégia da política agrária interna objetivando cessar a adesão campesina às fileiras contrarrevolucionárias. A lei de 1986 que legalizava a Reforma iniciada em 1985 se baseou numa maior distribuição de títulos de propriedade aos campesinos. Todo esse reordenamento obrigou o governo a fazer um crescente investimento na defesa. Esses gastos extraordinários vão aprofundar a grave da crise econômica vivida pela Nicarágua a partir do segunda   metade da década de 1980.

A ação militar  estadunidense se não foi capaz de destruir militarmente o governo sandinista, impôs a ele um pesado ônus econômico. Isso vai determinar o  estrangulamento econômico e  cansaço popular que acabou por forçar o governo sandinista a se sentar à mesa e negociar com os Estados Unidos e a Contrarrevolução. Dessa forma assinados os Tratados de Esquipulas I e II em maio de 1986 e em agosto de 1987, respectivamente, e o Acordo de Sapoá em março de 1988. Esse processo foi visto pelo governo sandinista como a possibilidade de dar um novo fôlego ´para a  Revolução, mas significou na o início de uma grande derrota política.

A derrota da Revolução Sandinista (1988 -1990).

 Os acordos de Paz

O acordo estabeleceu dez eixos para concretização da paz e, portanto, colocar um fim aos conflitos armados na América Central:

1) estabelecimento de uma reconciliação nacional, que perpassaria pela consignação de um diálogo entre as partes beligerantes, de anistia aos rebeldes e da criação de uma comissão nacional de reconciliação;

2) fim imediato dos conflitos armados;

3) compromisso com a democracia representativa e pluralista, com plena liberdade de organização partidária e de imprensa;

4) realização de eleições livres;

5) fim da ajuda por parte do governo a grupos insurrecionais e revolucionários na região;

6) fim da cessão de territórios com objetivos militares para outros países ou grupos guerrilheiros atacarem os países centro-americanos;

7) controle de armamento;

8) comprometimento em ajudar refugiados e deslocados devido aos conflitos armados na região;

9) cooperação econômica; e

10) aceitação de comissões de verificação internacional sobre o cumprimento  dos acordos, especialmente os firmados no Grupo de Contadora e nos Esquipulas I e Esquipulas

De acordo com a  “Declaração conjunta dos presidentes centro-americanos emitida en Costa del Sol, El Salvador, 1989”, a resultante política do fim da guerra seria a realização de eleições parlamentares e presidenciais tradicionais, o que significou o virtual desaparecimento de toda a importância e poder do Governo Sandinista como a expressão de uma revolução popular. A declaração obriga o Governo Sandinista a tornar as eleições uma competição igual entre os Sandinistas e os demais partidos. Os pontos principais da Declaração são:

              1)   Reformas da legislação eleitoral e a que regula a expressão do pensamento e da informação para  garantir la organização  e ação política dos partidos

             2) Fixação de um período de quatro meses para a preparação, organização e  mobilização dos partidos, e em seguida um novo período de seis meses de atividade política

3) No final deste período vão se realizar as eleições para Presidente, Vice presidente, Representantes à Assembleia Nacional, Prefeituras e o  Parlamento Centro americano. As eleições deverão ser realizadas no mais tardar no dia  25 de fevereiro de 1990

4)  O Governo de Nicarágua participará do  Conselho Supremo Eleitoral com a participação equilibrada de representantes dos partidos políticos de oposição.

5) Serão convidados observadores internacionais, especialmente os delegados dos Secretários Gerais das Nações  Unidas  e da Organização  dos Estados Americanos, que deverão estar presentes em todos os Distritos Eleitorais durante as duas etapas já mencionadas, com o fim de constatar a transparência  do processo.

6) O Governo da Nicarágua garantirá o livre funcionamento dos meios de comunicação mediante a revisão e modificação da Lei de Meios  e  o acesso igualitário en horário de transmissão  e  duração de todos os partidos políticos na televisão estações de  rádio estatais. O Governo da Nicarágua autorizará a todos os meios de difusão para que possam se prover no próprio país ou no exterior, segundo sua conveniência, de todos os materiais, implementos e equipamentos necessários para o cabal cumprimento de seus trabalhos.

Esses acordos de paz, ao contrário do que pensavam os Sandinistas, acabaram por proporcionar  a submissão de Manágua a Washington. Deste modo, os acordos produziram as condições para que o governo sandinista fosse cooptado definitivamente pelo imperialismo norte-americano e, deste modo, pela burguesia. Ainda que os avanços consignados pela Revolução não tenham sido de todo abandonados, diversas características fundamentais da Revolução foram suplantadas por medidas econômicas tipicamente neoliberais. Sem falar, é claro, que os acordos resultaram no processo eleitoral de 1990, que levou à  derrota eleitoral da FSLN.

Vídeo –  https://www.youtube.com/watch?v=t2Uk1NRGYcU  Nicarágua entre a Guerra e o Sonho

A derrocada econômica da Revolução Sandinista 

A conjuntura econômica de início de 1988 era de recessão generalizada. O PIB nicaraguense estava em queda desde 1984, as exportações reduziram-se de forma expressiva , os salários reais tinham valores depreciados, apresentando o menor valor   desde o triunfo da Revolução e a inflação totalmente  descontrolada, apontava para uma perspectiva de  hiperinflação. O desemprego crescia rapidamente, o consumo tinha caído muito significativamente e a dívida externa era enorme para uma economia periférica.

O projeto econômico sandinista parecia estar em desagregação, anunciando um provável fracasso. Os níveis de expansão do setor agrícola, considerado pelos sandinistas como o centro dinâmico da economia ficaram  bem abaixo do projetado Na balança comercial, há uma grande queda das exportações e  as importações cresceram muito fortemente. Assim, o saldo da  balança comercial, com exceção do primeiro ano de governo, resultou num déficit crescente. O aumento  do endividamento externo do governo da FSLN resultou da concentração dos empréstimos no objetivo de garantir a importação de bens intermediários, de consumo e de petróleo.

A relação exportação/importação nunca foi equilibrada pois as importações sempre tiveram maior valor agregado. A política de industrialização adotada gerou  a necessidade de compra no mercado exterior de bens de capital e de bens intermediários, o que demandou um volume maior de divisas. As exportações agrícolas e de derivados não cresceram no mesmo ritmo , gerando  grandes déficits na balança comercial.  O fim dos subsídios em 1988, a baixa produtividade da produção e a alta da inflação gerou uma grave crise econômica que determinou a escassez de produtos básicos da cesta básica, com um processo de desabastecimento que provocou uma situação de fome na  Nicarágua.

O porque da ineficiência produtiva deve ser buscada na situação de  disputa política entre o governo e a burguesia. Passou a haver um grande boicote da burguesia à produção, ao não investir no processo produtivo, o que ocorreu com a crise da Unidade Nacional, principalmente com o aumento dos conflitos armados a partir da segunda metade da década de 1980. Essa situação se deve também à política sandinista de direcionar o estímulo econômico aos pequenos e médios produtores privados, que, em grande medida, abandonaram suas propriedades e se tornaram membros da Contrarrevolução.

O processo de criação de uma economia mista sandinista favoreceu o ganho capitalista privado, tornando ineficiente o setor estatal pois o capital privado acabava por definir o rumo econômico, o que gerou a crise econômica. Ao optar por não aumentar o controle do processo produtivo, o governo sandinista permitiu que a burguesia vinculada aos Estados Unidos pudesse   usar seu poder econômico  para estrangular a economia nicaraguense.  A ligação da burguesia “patriótica”  com os Estados Unidos visava promover  um processo de modernização que vinculasse a economia nicaraguense à globalização capitalista. O governo sandinista passou a significar um obstáculo a esse processo, razão pela qual  se buscou minar  economicamente o governo a partir de 1985, estratégia que acabou por se revelar um sucesso.

A partir de  1986, houve um aumento da acumulação de capital, contraditório com a situação de  queda do crescimento da  economia e da própria produção agrícola. Ocorre que houve um aumento no investimento estatal no setor agrário, sendo que o capital privado é que se apropriou . da maior parte destes recursos. As terras incluídas no processo de reforma agrária totalizavam  pouco mais de 38% das terras cultiváveis. O outros mais 61%, aproximadamente, estavam concentrados nas mãos de grandes, pequenos e médios produtores privados.

De qualquer forma, as divisas de origem estrangeira formavam grande parte do capital direcionado ao investimento na Nicarágua. A redução do montante destas divisas  implicou na diminuição da capacidade de investimento do governo e também dos subsídios que se destinavam a garantir o abastecimento, assim como o acesso a produtos de primeira necessidade para a população mais carente. Ao final de 1987, a capacidade de expansão de financiamento para esses dois segmentos havia se esgotado.

As medidas de austeridade

Com o aprofundamento da crise, o Governo Sandinista anunciou as primeiras medidas econômicas com o objetivo de estabilizar e reestruturar a economia nicaraguense. O governo adotou medidas adequadas  ao setor privado:

             1)liberou os preços de todos os produtos agrícolas

              2)  aprovou a lei de investimentos estrangeiros que garantia repatriação de capitais

               3) Flexibilizou o monopólio do comércio exterior. O governo, dessa forma, abria mão de medidas destinadas a proteção dos setores populares e cedia à pressão para a submissão da economia `lógica anárquica do mercado

No dia 15 fevereiro de 1988, o Governo :

               1)determinou a desvalorização monetária à razão de 3.000%.

               2)Criou-se uma nova moeda, o Córdoba Novo, em substituição ao Córdoba. Na nova moeda, 10 Córdobas Novos equivaleriam a 10.000 Córdobas Velhos, e teriam o valor equivalente a US$ 1,00 dólar.

3)Também fixou novos preços para produtos básicos, aumentando em mais de 270% o preço da cesta básica, reajustou em média 384% os salários entre os mais variados segmentos econômicos.

              4)Unificou todas as taxas de câmbios,

              5)cortou em 10% o orçamento governamental

              6)0 reordenou a estrutura governamental reduzindo as 40 autarquias governamentais – ministérios, agências e instituições – para oito super ministérios e cortou mais de oito mil postos de trabalho no setor público

           Para o governo, o processo inflacionário era devido principalmente à guerra pois prejudicava toda a economia no aspecto produtivo e distributivo, absorvia a maior parte das divisas públicas, reduzindo o investimento e determinando o  crescimento dos custos operacionais da economia. Outro fator inflacionário era  o déficit fiscal,  as perdas cambiais e a existência de múltiplas taxas de câmbio, que  corroíam as receitas estatais. Outro fator importante o crescimento do amplo setor informal especulativo provocado pelo desequilíbrio salário/preço Também  o programa de investimentos de longo prazo consumia grandes quantidades de divisas para compra de bens de capital e insumos e provocava reflexos inflacionários. Finalmente,  a inflação inercial, ou seja, a expectativa contínua da elevação dos preços por parte dos vendedores, o que produz uma onda inflacionária ininterrupta

Até então .os salários eram regulados pelo governo, o que é fundamental em uma economia mista. A partir de junho de 1988, contudo, o reajuste salarial seria estabelecido livremente pelo patronato ou numa relação com o aumento da produtividade. O aumento da produtividade sendo o condicionante para o aumento salarial nada mais é do que aumento da super exploração do trabalhador. Desta forma, o reajuste passa a ser subserviente ao aumento da extração da mais-valia seja ela absoluta ou relativa.

Em junho ocorreu um aprofundamento da  austeridade do Estado nicaraguense. O resultado foi o aumento do lucro do capitalista, sobretudo aquele ligado à exportação e à diminuição do ganho do trabalhador. O poder de compra do trabalhador reduziu-se  cerca de 68% se compararmos o salário real de fevereiro de 1988 com o do mesmo mês de 1989 do proletário da iniciativa privada. Se considerarmos os trabalhadores do setor estatal, a redução foi ainda maior: cerca de 75% no mesmo período..

No mesmo período, no final de 1988 e início de 1989, o desemprego chegou a uma taxa de 28%.  A inflação fugiu do controle e evoluiu para a hiperinflação em 1988, à razão de 33.000%, destruindo completamente o poder de compra do trabalhador urbano, cujo salário em termos reais chegou a cerca de US$5,00 mensais. Em média, esse salário tinha em 1988 cerca de 5% de seu valor de compra de 1980 . O orçamento do Ministério do Interior foi reduzido em 40% e do Ministério da Defesa em 29%. Também ocorreu uma grande redução  nos recursos destinados a empréstimos para o setor produtivo. O Córdoba passou a ser desvalorizado de maneira permanente, a cada 10 ou 20 dias nos primeiros meses do ano.

No que diz respeito à inflação, os resultados foram bons:  a inflação caiu em janeiro para 92%, em fevereiro reduziu-se para 45% e em março chegou a apenas 20% ao mês De maneira sucinta, as medidas de austeridade tiveram três motes fundamentais.

1)  A reforma monetária, que visava  restabelecer a capacidade do Estado de  guiar a economia e  criar as condições para garantir o investimento na produção.

2) Realizar uma reforma de Estado, uma medida de fundamentos neoliberais, cujo objetivo principal  é reduzir os gastos do Estado com pessoal resultando em  mais de oito mil funcionários públicos demitidos em  setores sociais tais como educação e saúde.

3) Impulsionar mobilização popular a respeito do projeto do governo, apesar dos péssimos resultados na área social. . O orçamento para o setor educacional  reduziu-se para cerca de 20% no mesmo ano. A área da saúde também passou por problemas. O governo cancelou subsídios importantes, especialmente para alimentação. Se tomarmos como base o ano de 1981=100 os gastos em 1985 foram reduzidos para 73% e em 1989 para apenas 10%. Além disso, vale ressaltar, como também já demonstrado anteriormente, que a renda per capita em 1989 era inferior à de 1969

O processo eleitoral de 1990 e a derrota do Governo

         O  acordo assinado em Tela estabelecia que seria garantida plena  liberdade  de expressão, além do que anistiava o conjunto dos presos políticos vinculados às operações  contrarrevolucionárias, o que proporcionou a volta  à Nicarágua das mais importantes  lideranças dos Contras. O acesso irrestrito aos meios de comunicação, garantido pelos acordos de paz, favoreceu a  UNO pois o grande volume de recursos  significou uma vantagem para a coalização opositora. Com base nesses recursos ela pode elaborar uma  campanha eleitoral maior raio de ação, com o uso de múltiplos  meios de  propaganda. Esses recursos também tornaram possível a continuidade da violência militar das ações armadas da Contrarrevolução armada durante a campanha eleitoral

Ao todo dez partidos participaram do pleito eleitoral em 1990. O processo eleitoral foi polarizado pela FSLN e pela UNO, mas outros oito partidos participaram da eleição. A UNO passou por uma grande mudança em meados de 1989 e reunia vários partidos das mais diversas  orientações políticas e ideológicas, e foi a coalizão representante de grande parte da burguesia nicaraguense e dos Estados Unidos no pleito eleitoral de 25 de fevereiro de 1990. Esse partido tornou-se  a representação civil da Contrarrevolução, inclusive da armada.

                Além dos Estados Unidos e da burguesia nicaraguense, essa frente teve outro grande aliado dentro da Nicarágua: a alta hierarquia da Igreja Católica.  A  campanha da UNO foi totalmente estruturada  pelo governo norte-americano. Somente os recursos que chegaram clandestinamente mediado pela CIA ficou em torno de 17,5 milhões de dólares. No entanto, a UNO afirmou reconheceu ter recebido só 3,7 milhões dólares.

                   A  centralização do processo de transição administrativa tinha como objetivo garantir a transnacionalização, isto é, o aporte e a entrada em operação do capital internacional, sobretudo estadunidense. Após a vitória eleitoral, o processo de centralização visava garantir que os principais cargos fossem ocupados por pessoas indicadas pelo governo norte-americano. Foi formado um grupo que ficou conhecido Grupo de Las Palmas, composto por Antonio Lacayo, Alfredo César, ex-presidente do Banco Central durante o governo sandinista (1980-1982) que depois rompeu com o governo e se agregou à Contrarrevolução, e por Carlos Hurtado. Esse grupo ocupou os principais cargos: finanças, economia e desenvolvimento, Banco Central e Relações Exteriores, além do Ministério da Presidência, o eixo da centralização. Esse processo visava assegurar, que as políticas neoliberais dirigidas pela USAID – Agência Internacional de desenvolvimento dos Estados Unidos – pudessem ser executadas. Assim que Violeta Chamorro tomou posse, esta entidade criou um plano de trabalho e em 1991 começou a executá-lo, construindo claramente um governo neoliberal. A crise econômica foi quase, inclusive, a concretização de uma tragédia que fora anunciada desde a constituição dessa aliança no contexto nacional e internacional, porque essa burguesia nada tem de nacionalista,  ao contrário, ela é internacionalista. Em outras palavras, o que interessa para ela é a reprodução do capital e as benesses sociais e políticas adjuntas à classe burguesa, e não efemeridades contidas na insígnia do nacionalismo.

Com Chamorro, Alemán e Bolaños, a asfixia neoliberal

           Violeta Chamorro venceu Daniel Ortega por 55% a 41%, após assumir a presidência aplicou fortemente todos os elemento do projeto neoliberal e as conquistas obtidas pela revolução sandinista não prosseguiram. É significativo, que  com a vitória da candidata representante estadunidense deixaram de ocorrer os ataques dos “Contras” na Nicarágua. Afinal, sua forma  de governar atendia totalmente os interesses dos Estados Unidos da América. Após a vitória de Violeta Chamorro, tivemos outros governos neoliberais – Violeta Chamorro de 1990 a 1997, José Arnoldo Aleman Lacayo  de 1997 a 2002 e Enrique Bolaños Geyer de 2002 a 2007, totalizando 17 anos de interferência na revolução sandinista. Mas em 2006, Daniel Ortega voltou ao poder com a FSLN

           Desde 1990, o FMI patrocinou reduções de salários no setor público de até 44%. Mais de 300 pequenas empresas estatais foram privatizadas nos primeiros cinco anos pós-sandinistas e outras grandes, como a de comunicações (Telcor), que era muito rentável, sofreram a mesma medida.  Essa é a opressiva situação de um país que importa por ano quase 1,6 bilhões de dólares e consegue exportar apenas 600 milhões. E onde os mais de 750 milhões de dólares que entram todo ano em forma de remessas de famílias, enviadas por nicaraguenses que vivem no Exterior, se tornam, paradoxalmente, na principal fonte de renda deste país, transformado no paraíso dos privilégios e da polarização social. Só na Costa Rica residem hoje quase um milhão de nicaraguenses – a maioria deles em situação ilegal. São parte importante de uma corrente incontrolável de emigração econômica que imperou nos anos noventa.

Vídeo: https://youtu.be/jydUIJSFK2s Saída de Violeta Chamorro e Posse de José Arnoldo Aleman Lacayo

            A revolução durou apenas onze anos , quando, na década de 90,  o sandinismo foi derrotado nas urnas. Implantaram—se, depois, três governos sucessivos, todos neoliberais. Foram quatorze anos de radical atraso, onde os vários “ajustes” receitados pelo FMI e Banco Mundial destruíram quase todas os avanços populares e onde a lógica do mercado rebentou com a experiência de democracia participativa sandinista. No governo sandinista  a Cruzada Nacional de Alfabetização, em cinco meses, a partir de agosto de 1979, reduziu drasticamente o analfabetismo somozista de 53% a 12%. Alguns anos após o inicio das políticas neoliberais, novamente, quase 40% das crianças em idade escolar estão fora da escola. Dois de cada três matriculados não concluirão o curso secundário. O analfabetismo retornou a quase 50%.A saúde pública para todos, fundamentada na participação cidadã nas grandes campanhas de vacinação preventiva – que eliminou, por exemplo, a paralisia infantil – desestruturou-se completamente. Retornou a lógica da saúde para os ricos e doença para os pobres.

Video: https://youtu.be/kB-S5HZR_l0 A saúde na década de 90 e hoje

            A reforma agrária que, mesmo imperfeita e rudimentar, melhorou a situação  de milhares de camponeses, rendeu-se a um forte processo de reconcentração de terras. E a identidade nacional autônoma da Nicarágua sandinista  se transformou em  um automático alinhamento  às ordens de Washington, com a aposta cega de Manágua em um Tratado de Livre Comércio (TLC) que, sob o império absoluto do dólar, estava fadado a multiplicar a dependência.
O “Novo modelo “obrigou 1,3 milhões de pessoas (25% da população) a se encaminhar para a miséria total. São analfabetos, não usufruem de serviços de saúde, educação e água potável. Padecem de desnutrição severa e registram uma expectativa de vida inferior aos 45 anos.

           Em 1987, o Tribunal Internacional de Justiça de Haia condenou o governo dos Estados Unidos a pagar uma indenização de cerca de 17 bilhões de dólares em função de perdas diretas e indiretas sofridas pela Nicarágua na guerra patrocinada pelo governo de Ronald Reagan. A cifra equivalia a 50 anos de exportações, segundo os valores da época, ou 25, segundo os atuais. Em quase dez anos, o conflito provocou não menos de 30 mil vítimas; polarizou ao extremo a sociedade nicaraguense; alterou a lógica política; colocou o inovador programa sandinista na defensiva e condenou a FSLN à derrota eleitoral em 1990.

Video https://youtu.be/OVvp-sRZ05U Neoliberalismo nunca mais!

O resultado mais grave dessa guerra foi a ruptura profunda o tecido social e a destruição de uma “utopia realizável” que havia se viabilizado através da insurreição de julho de 1979. Novos conflitos e atores sociais despontaram, com vitalidade própria e seus altos e baixos, de forma cíclica. Quase sempre dirigidos por militantes populares dos anos 70 e 80, mas agora sem o apoio orgânico partidário, capitalizam a experiência participativa do sandinismo e sua raiz questionadora. Movimentos camponeses por terra e trabalho acontecem em Matagalpa, rica região exportadora de café onde, um em cada três habitantes sofre de desnutrição. Ex-trabalhadores das transnacionais bananeiras, afetados pelo Meganón e outros agrotóxicos químicos – que mataram alguns deles – acampam por semanas em frente ao Parlamento nacional para exigir reparações. Grandes mobilizações contra as tentativas de privatização da água se multiplicaram, especialmente na capital. São constantes e reiteradas as lutas estudantis reivindicando 6% do produto nacional para o setor. Há massivas mobilizações cidadãs contra a corrupção e pelo julgamento de altos funcionários públicos – entre eles o ex-presidente Arnoldo Alemán – envolvidos em numerosos crimes de apropriação do dinheiro público.

Video https://youtu.be/7YStbY51T_Q Neoliberalismo e corrupção na Nicarágua

%d blogueiros gostam disto: